Com os holandeses: a crítica apaixonada a um Povo

J. Rentes de Carvalho é um autor que não conhecia até me terem oferecido este livro “Com os Holandeses”. Talvez por estar a começar aqui um novo capítulo da minha vida, por estar imersa num novo país, quis avidamente ler a opinião de um conterrâneo Português sobre a Holanda. E foi um prazer e um vício lê-lo durante estes dias.

IMG_0343[1]

J. Rentes de Carvalho escreveu o livro em 1971 e tornou-se best-seller na Holanda e o facto seria de estranhar, uma vez que ele, e desculpem-me a expressão, parte a boca toda aos Holandeses. Mas fá-lo com um nível, com um conhecimento de causa e com um sentido de humor, que em momento algum roça a má educação ou a crítica gratuita. Pelo contrário, Rentes de Carvalho, como ele próprio vai referindo ao longo do livro, só poderia ter escrito este livro por gostar muito da Holanda e querer distanciar-se daqueles que apenas lhe escrevem as belezas para obter mais valias e proveitos daí.  Nas próprias palavras do autor:

Defeitos? Não seriam humanos se os não tivessem, como é humano que eu lhes aponte alguns, os que mais me impressionam, mas com a modéstia de quem sabe não ser isento deles, e a perplexidade que causam a quem vem de longe.

Não tive olhos para as tulipas, os diques, a produção de queijo, as vacas da Frísia, os monumentos, os mestres da pintura. Para tudo isso e todos esses não faltam especialistas, e a minha intenção não foi preencher lacunas ou dar lições, mas o simples desejo de deixar um testemunho, sabendo de antemão que seria frágil.

Ao longo de vários capítulos, o autor explora a personalidade de um povo. Somos levados numa viagem pela personalidade do Holandês: os  seus vícios, fraquezas e virtudes, o seu apego ao dinheiro, a sua visão sobre a religião, o “fanatismo” pelo associativismo e activismo missionário,  a culinária (ou ausência dela!!!), a imprensa, a televisão, a juventude, a escola e a universidade. Rentes de Carvalho dá-nos uma visão sobre tudo aquilo que mais lhe chamou à atenção pelo negativo.

E para mim, o mais interessante foi ver espelhados hoje nos anos 2000 e muitos, muitas das coisas que J. Rentes de Carvalho aponta no livro em 1971. Grandes questões ou pequenos pormenores apontados pelo autor que ainda se encontram escancarados na sociedade de hoje, e que nos vamos deparando no dia-a-dia. Ao ver estas questão e depois de ler este livro, compreendo simultaneamente a vontade de galhofar, seguida de irritação profunda e vontade de desabafar.

Penso que a passagem seguinte mostra bem, como o livro é guiado pela crítica, mas também pela paixão ao País. Só a paixão ao País, permitiria a crítica verdadeira e bem intencionada.

Alguns estrangeiros que visitam Portugal, ao deixar que depois de um dia de sol o vinho lhes amacie a alma e o coração, quando ouvem pela primeira vez a melodia dolente do fado, ressentem um baque estranho, indefinível, que lhes enche os olhos de lágrimas.

Esse é o primeiro passo. A saudade aparece logo a seguir, e quem a ela se entrega só com esforço retorna à normalidade. Os portugueses, que recebem esse baque logo à nascença, vêem a sua vida regida por esse estranho sentimento, chegando alguns ao extremo de sentir saudade da saudade, o que lhes ocasiona mudanças repentinas de humor, fazendo-os passar sem aviso da alegria intensa à melancolia profunda. Outros, igualmente complicados, não podem evitar de sofrer já hoje da saudade que só no futuro deveriam sentir.

A essa última categoria pertenço eu. E assim me verão palmilhar as ruas de Amsterdam sem razão nem destino, envolto pela turba que passa ou meter pelos atalhos e as estradas da província, parando nos molhes, subindo aos diques, caminhando longamente pelas praias e pelos bosques. A temer pelo momento em que longe na Holanda, ela se torne para mim uma saudade.

Recomendo muito o livro, para quem quer conhecer o verdadeiro lado de um país, para além das tulipas, das socas, do red-light e afins. Vou também passar a seguir o autor no seu blog em: http://tempocontado.blogspot.nl/

Anúncios

2 comentários

  1. Gostava de saber se entre as nossas virtudes e defeitos, se encontra a vontade de ler um livro hipotético chamado “Com os Portugueses” com a mesma visão critica do nosso povo, em que este se tornasse um best seller… Eu lia.

    1. Sim, sem dúvida. Uma das virtudes apontada aos Holandeses é a sua capacidade de aceitar a crítica. Os Portugueses são possivelmente os primeiros e os últimos a poderem tecer uma crítica sobre o País ou sobre eles mesmos…caí muito mal quando alguém de fora vem comentar o quer que seja.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Amsterdive

Amsterdam based actress hosts you into her own amster-dive

Anas há muitas

Mãe, mas Mulher. Aqui escrevo sobre a fantástica experiência da maternidade, os meus cozinhados, os textos da minha autoria, e a minha área de formação – saúde.

THE GIRL WITH SILVER HAIR

THE GIRL WITH SILVER HAIR

agora digo eu

Porque às vezes me apetece dizer com os dedos para que me ouçam com os olhos!

Diário de Prato

Compartilhando o que eu ando fazendo e comendo de gostoso por aqui.

A Limonada da Vida

Uma Portuguesa na Holanda

almanaque silva

histórias da ilustração portuguesa

Marianne Beerten

Onroerend goed en Geiten in Portugal

Contador D'Estórias

Narrativas, poemas, músicas, um blog com estórias dentro.

Desbravando Madrid

Curiosidades e dicas sobre a cidade de Madrid

Life's Textures

Notes and tips about (my) life

By Catarina

Writing With a Global Mindset

laplandalltheway

Adventures of a Portuguese girl in Lapland

o meu sofá cinzento

espaço reservado a desabafos tipo assim um bocadinho "crazy" "or not"

The Frustrated Gardener

The life and loves of a time-poor plantsman

Heidiland

Uma Portuguesa na Holanda

The Kitchen Crashers

Seda ve Hakan’ın Mutfak, Seyahat ve Fotoğraf Maceraları…

%d bloggers like this: